sábado, 3 de outubro de 2009

Mãe Solteira. E Agora?


Vamos brincar de tagalerar sobre um assunto delicado...

Uma condição social não tão nova, mas sempre presente em nossas vidas......

Quem já ouviu o termo Mãe Solteira?
Já sei........TODO MUNDO + 1

A revolução sexual veio junto com a cultural, na metade superior dos anos 60......

Desde então as pessoas passaram a viver sua vida intensamente, aleatoriamente aos costumes familiares e tradicionais...
As relações amorosas passaram a ter nova conotação, sem apenas ser um fator histórico: paquere, namore, case, seja mãe/pai, seja avó e morra.......

Os jovens passaram a se consumir, entregarem-se ao amor, às descobertas da sua liberdade, da sua sexualidade....
O que foi uma afronta aos estabelecimentos religiosos e morais para uma geração, foi uma conquista de vida para geração próxima.

"Eu escolho quem amar, com quem relacionar, e eu decido com quem vou me deitar e casar"...

Perfeito. Maravilhoso.....O ser humano decidindo sua vida e o que fazer de seu corpo...

Mas, sempre o mas...

Aconteceu o seguinte......As pessoas se relacionaram amorosamente e sexualmente, num conto de fadas psicodélico, de uma mundo perfeito de paixão, e se esqueceram de um detalhe: elas são capazes de reproduzirem-se.

Olha que coisa? O cara: "vou namorar e pegar qualquer mulher que eu quiser e conquistar".
A garota: "Que cara gato: quero ele pra mim".

E aí....
Aí, vem a gravidez.

Esqueçamos o aborto, isso é um tema picante para futuros posts...

Que legal....
Agora a moça está grávida. O rapaz pensa: "eu casar? Acha? Sou novo. Nem gostava dessa mina. Queria apenas ter prazer"

E de repente, temos uma mãe solteira.

Parece meio que da natureza. No meio selvagem. O macho acasala e vai embora. E a fêmea cria os filhotes e espera o próximo macho para acasalar de novo. Mas somos humanos. Pensamos, temos sentimentos, responsabilidades, futuro.

E vemos tantas moças com um filho.
Primeiro a pressão tradicional e imbecil da família que vai saber que "todo mundo" vai perceber que a filinha querida transou com o namorado antes de casar.......Dãaaaaaaaaa...Como se não se faz isso há quarenta anos....

Depois a cobrança da família: Já que você pôs no mundo, agora se virar pra sustentar...
Algumas dão pra adoção, outras deixam os pais criarem....Mas algumas com um mínimo senso de caráter, vão cuidar do pequeno ser.

Mas aí vem outros fatores: o PAI SOLTEIRO vai continuar vivendo, procurando seu caminho sem maiores problemas...
Forneceu a semente e vai fornecer a pensão e vai continuar procurando seu futuro relacionamento.

E a mãe vai ficar com o filho(a). Mal pode ter uma vida social. Quando a tem e conhece alguém pra se relacionar. mal pode dizer que é mãe, porque, na cabeça do atual pretendente é um crime capital.....

E, quando a bem intencionada mãe solteira, encontra finalmente um namorado sério que a aceite e tope o desafio de tentar uma família já pronta, ela pensa: "quero que ele aceite minha cria, e não queira intervir na educação dele(a)".

Ao menor sinal de qualquer insignificante diferença entre o pimpolho e o novo amado, cadeira elétrica pra "esse traste que só quer cama comigo".

E o tempo passa, o moleque ou a girl vai crescendo, e a pobre mãe não se encontra, talvez nem socialmente, nem amorosamente...

E o famoso e procriador pai solteiro, já namorou mais umas 6, se casou, e tá lá tomando sua cerveja e achando que a pensão do filho primeiro tá alta...Que a mãe trabalha e não precisava receber nada dele......

CLARO, que sabemos de casos, em que pessoas com um potencial especial de personalidade, superaram todas essas dificuldades.

Mas, você culto leitor, sabe que é minoria.
Um filho sem casamento ferra mesmo é a mulher..

Ou estou errado?

10 comentários:

Ivy disse...

Infelizmente, é verdade. É como se o homem não tivesse a menor responsabilidade sobre o filho. Aqui, na Noruega, isso é bem diferente, ainda bem.

cleidiane disse...

è uma tristeza só, hein julio. tenho algumas colegas q sao mae solteira,e é tao vergonhoso isso. claro, o simples fato de elas nao serem vistas como pessoas livres e desempedida pra encarar um novo relacionamento, pois o filho pode não ser recebido pelas novas pessoas.é uma grande confusão em todos os aspectos destas duas vidas(filho e mae)ja pro pai...é uma big falta de carater e responsabiliade.(nenhuma pensão representa a presença do pai)

monicap disse...

Concordo com vocês, a realidade é essa mesmo: a mulher é que fica com total responsabilidade. Tenho uma amiga que aos 15 anos engravidou e por opção não se casou,pois, os pais acharam os dois imaturos para o casamento, hoje ela com 20 anos recebe uma contribuição mínima do pai da filha e nenhum apoio dele, e todas as responsabilidades ficam para ela além de cuidar e zelar pela saúde da filha ainda tem que trabalhar para sustentá-la.

Sâmia Siso disse...

Eu sou mãe solteira. Mora com minha família que me apoiou desde o comecinho de minha gravidez. Parte de tudo o que o Júlio falou em seu texto eu vivi. E vivo, aliás. Preconceito? DEMAIS! A diferença é que o pai dela é tão lenhado da vida que nem pensão pode pagar. [Onde fui amarrar meu jumentinho?!]

Mas não me sinto necessariamente uma lenhada. O homem se reproduz, mas também se adapta. A gente aprende a viver sob uma outra circunstância e como maternidade e amor andam imiscuídos um no outro, apredemos a amar de maneira tal que todo preconceito [e preconceituoso] fica do tamanho que lhe é devido: ínfimo.

Eu dou PÃE ou MAI, e tudo que dividiria com ele eu tenho para mim, inclusive o AMOR de minha filha.

Bom texto, Júlio! ;)

Flávia Costa disse...

Olá! Como sempre você soube colocar, e muito bem, um (!) dos aspectos da situação da mãe solteira. Só que essa mulher aqui descrita não combina tanto com a postura que hoje assumem tantas e tantas mulheres.
Será que não conhecem nenhuma mulher independente e que realizada em todos os campos de sua vida, chega a certa altura em que faz a opção de ter um bebê, por achar ser o momento adequado para vivenciar algo tão maravilhoso?!
Mas não falo desse tipo de mulher que constrói sua felicidade em um relacionamento baseado na total dependência física, afetiva, emocional, financeira e por aí vai, de uma figura masculina.
Falo da mulher que vai à luta, vive, batalha e conquista tudo o que acredita. Vive cada um dos seus sonhos, sem se importar se as hipócritas leis sociais estão aprovando ou não. Tem noção do que a realiza e o que a torna plena e mergulha, tendo a total certeza de que vale a pena.
Penso e vivo assim... Feliz da vida com meu momento, independente do pai do meu bebêzinho (nasce em janeiro!!) estar sabendo aproveitar esse momento mágico ou não... Brincadeira!! Ele é louco por crianças e doido para se casar... mas será que conseguirá acorrentar alguém que já descobriu as maravilhas todas da liberdade que nada tem a ver com o aprisionamento das convenções sociais?? Os motivos para ser feliz estão aqui dentro (literalmente!) e não em outro alguém.

Flávia

Karla Lima disse...

Errado?
Nunca!!!
Sou mãe solteira e qualquer semelhança não é mera coincidência...
Amei seu texto. É uma dura realidade, mas é a verdade.

Karla Lima disse...

Oi Julio!

Tudo bem?

Li seu texto e, como mãe solteira, posso dizer que está excelente e verdadeiro.

Me atrevi a colocá-lo (com os devidos crédito, claro!) no meu blog. Está lá. Mas preciso saber se vc concorda com isso. Se não concordar, retiro-o imediatamente.

Um grande abraço e saiba que amo os seus textos, viu? Parabéns!

Karla

anjo disse...

Essa realidade nua e crua que vc colocou aqui é o que tentamos mostrar pra nossas filhas, mas desde que o mundo é mundo sempre foi assim e acho que será por muito tempo, mas acho que esse pensamento do homem ja vem da educação recebida.
Como diria minha avó segura sua cabra que meu bode está solto. RIDÍCULO

PATRICIA NASCIMENTO disse...

Certissímo , estou impressionada com a exatidão de suas palavras. Sou mãe solteira desde os 20 anos e passo por essas e outras situações descritas. Muito Obrigado.

oci disse...

rsrs sou mãe solteira sim!
tenho 3 filho 4 2 e uma de19 dias tds do mesmo pai
eu ainda precisei coloca-lo na justça! mas enfim estou me mudando p minha casa propria tenho 21 anos sou muito feliz espero que proximo anos sejam abençoados por deus!