sábado, 18 de maio de 2013

Homofobia - Limites para incriminar?


Mais um assunto muito comentado, discutido e colocado em discussão como tema a ser amparado por lei. A homofobia. Em minha visão, há de se considerar o conceito de limites para enquadrarmos tal prática.

O limite inferior, onde realmente agressões físicas e verbais são levadas a cabo contra homossexuais apenas por sua natureza. Além de preteri-los no tocante de vagas de empregos, associações, instituições de ensino e religião. Quando atos deste tipo são praticados, não há como negar o ódio que um ser humano tem de outro apenas pelo último ser, pensar e agir diferente do primeiro.

Mas tomemos muito cuidado com o limite superior, onde os direitos e exigências dos homossexuais podem ultrapassar o direito normal de pensamento e discordância de uma pessoa. Deixemos a hipocrisia de lado e olhemos para nós mesmos. Quem nunca riu de uma piada sobre gays, contada numa mesa de bar? Não é por isso, que depois desse ato, vamos pegar uma barra de ferro e agredir uma homossexual numa esquina. Não é por isso que vamos xingá-lo ou deixar de se comunicar e ser gentil com ele, como seríamos com qualquer pessoa.

A liberdade de pensamento e o julgamento de valores de cada um devem imperar, sem que isso se transforme em quaisquer atos de discriminação ou ceifação de direitos. Se estou num ônibus ou num metrô e cedo meu lugar a uma pessoa idosa e não a um homossexual, não estou sendo homofóbico. Se, numa entrevista de emprego, eu contrato um heterossexual, baseado em competência e experiência, em detrimento ao um candidato homossexual, não estou sendo homofóbico. Se, numa praia eu opto por consumir alimentos num quiosque comandado por um hetero, por conta da qualidade de seus serviços, não estou sendo homofóbico por não consumir num quiosque comandado por um homossexual.

Há de se pensar nesses limites. Eu sempre tratei muito bem todo tipo de pessoa, independente de sua opção de vida ou condição socioeconômica. Mas, não podemos condenar criminalmente uma pessoa que se recuse a conversar com um homossexual, por ser contra suas práticas. Desde que esse cidadão nunca o agrida moralmente ou fisicamente, ele não está cometendo nenhum crime por discordar da condição da homossexualidade.

Um fato sempre lembrado é aquela velha história de um casal gay se beijando num restaurante ou num lugar público. Se fosse um casal hetero também seria desconfortável aos olhos alheios. O que temos de pensar se são lugares familiares ou não. Você não vai numa boate ou num cinema com sua esposa e seus filhos para jantar. Nesse tipo de ambiente, você se depara com pessoas que se entregam à pratica desse tipo de carícias ou contatos físicos. O que não se pode admitir é que, um casal de homossexuais faça tal prática em lugares públicos ou familiares apenas para chocar, para elucidar e propagar sua visão de direitos.

Isso seria uma afronta à liberdade de cada um. Não se trata de homofobia. Trata-se de exposição excessiva ou afronta ao comportamento respeitoso de cada cidadão. Direitos todos devem ter sim. Abuso de direitos, nunca.

4 comentários:

nilce mara disse...

Existe cura para o homofobismo também, sabia? Se chama "ensino fundamental completo".

jverdi disse...

Acho que uma questão de humanismo, caráter, não escolaridade ou posição cultural...

jverdi disse...

Acho que uma questão de humanismo, caráter, não escolaridade ou posição cultural...

Renata Mascarenhas disse...

Eu costumo sempre dar minha opinião onde ela se resume em uma só palavra sobre tudo isso, no que se refere a nossa postura social diante de fatos reais.
TODOS SEM EXCEÇÃO DEVEM RESPEITO UNS AOS OUTROS EM TODOS OS SENTIDOS!