segunda-feira, 1 de junho de 2009

Olhar pra frente e pra trás

Domingo, 20 horas. Normalmente um dia de descanso e relax, antes de se iniciar outra semana de trabalho.

Fui até uma lanchonete no bairro onde moro.
No caminho, olho sem querer para uma casa da redondeza.
Uma casa humilde, onde uma porta aberta revela possivelmente a moradora junto a uma máquina de costura industrial. Isso me fez pensar.

Muitos de nós, às vezes numa situação econômica e social razoáveis, quando nos deparamos com alguns problemas emocionais, achamos que somos as pessoas mais desafortunadas da terra, que o mundo é injusto com a gente, que Deus nos esqueceu.

Aí eu me pergunto. Aquela senhora, num domingo à noite, costurando em sua casa, sabe-se lá desde que hora, o que deve pensar?

Pessoas que às vezes não tem direito a alguns confortos básicos, como comprar um lanche num domingo à noite, como lidam com suas mazelas emocionais?

Imagem a desesperança de lidar ao mesmo tempo com as dificuldades financeiras e possíveis depressões?

Isso me traz à tona algo que sempre digo a amigos, em rodas de conversas sobre a vida.
Pra o mim o segredo da vida é o meio-termo, o equilíbrio.
Acredito que temos que simultaneamente, olhar pra frente e pra trás.

O que isso quer dizer?

Se a gente apenas mira pessoas que estão melhores que a gente em termos financeiros, sociais e familiares, e pensarmos que temos à todo custo, crescer, ter coisas, ganhar dinheiro, poderemos deixar nosso lado ganancioso fazer esquecermos de vivenciar as coisas simples, o prazeres, as conversas com amigos. Quando tem gente em situação bem pior que a nossa.

Se apenas pensarmos em pessoas que vivem um padrão de vida pior que o nosso, poderemos cair na armadilha do comodismo. Pensando que "vou ficar com o que eu tenho, que está bom demais. Tanta gente não tem isso...". E deixamos de crescer, querer sempre melhorar, evoluir, conquistar.

Pé no chão e foco no futuro.
Ao mesmo tempo em que somos muito pequenos perante Deus e a esta estrutura complexa que é a vida, somos os seres mais importantes deste sistema todo. Nossa história, nossa vida, nossas conquistas, estão em nossas mãos.

Nunca se lamente por que seu vizinho tem um carro ou casa melhor que sua, lute pra ter também.
Nunca se conforme se o seu carro ou sua casa estão bons demais para você "apenas" porque o seu vizinho tem um carro ou uma casa inferior, mais simples.

Valorize o que tem. Seus bens, sua saúde, seu emprego, seus amigos, sua fé. Mas não pare no tempo. Como otimista convicto, vou pegar carona naquela frase que diz: não há tão ruim que não se possa piorar,

NÃO HÁ NADA TÃO BOM QUE NÃO SE POSSA MELHORAR.

13 comentários:

Giovana Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Garotas Nada Vazias disse...

Olá Julio! Estou passando para agradecer o seu e-mail. Sempre que quiser o Nada Vazias está à disposição!


Abraços!


Claire

Priscila Rôde disse...

Muito bom o post!
Bom mesmo é estarmos em equilibrio!
De fé renovada, e pensamento otimista, na vida, tudo se torna possivel!Parabéns!

Austeriana disse...

Olá, Júlio!
De facto, na correria de vida que levamos, esquecemo-nos muitas vezes de valorizar o que temos e de atentar naqueles de quem mais gostamos.
Só quando as tempestades acontecem é que damos valor à bonança. É bom que nos lembrem a importância fundamental das coisas aparentemente pequenas do dia-a-dia e do valor daqueles que nos rodeiam nas nossas vidas.
Aceitei o seu convite e vim "olhar para frente e para trás"!
Sempre que tiver um tempinho, voltarei a fazer uma visita.
Bem haja!

Deni disse...

Oi Julio! obrigada pelo convite. não consegui ler tudo, porque estou doente mesmo. mas este post me fez sentir melhor. bjs denise

IolandaG disse...

Parabens Julio!
Belas e sábias palavras de alguem
maduro, conhecedor dos sentimentos
humanos. Beijokas, apareça sempre

Io

Gio disse...

Olá Julio! Como vai? você esteve em meu blog, e me deixou um comentário...Não sei como vc achou meu blog, já que escrevo ali pra mim mesma, somente como terapia, mas ainda bem que achou! Eu ainda não pude conhecer melhor suas "idéias", mas pelo pouco que li, adorei! Me parece alguém muito inteligente, e sentimentos muito bonitos, e muita sabedoria no que diz, e pensa. Assim que tiver um tempinho, estarei por aqui com mais calma. Grande beijo!

Gio disse...

E penso que o mais importante é ter este equilibrio mesmo, não podemos apenas ficar olhando para trás, para o que passou, nem tão pouco olhar apenas para frente, para o futuro que ainda não chegou! É importante viver este meio termo, entre o que já passamos, e o que almejamos,porque a vida é justamente um passo de cada vez, é preciso ter esta consciência d valores, para construir nossa história baseados no que fomos, e no que queremos ser. Mas nunca esquecendo o que está a nossa volta, ou os que estão a nossa volta.

Michele... disse...

Oi meu querido! Passei aqui... e gostei muito do que li. Em especial este texto! Um beijo!

Marly Cavalcanti disse...

Olá Júlio

Bacana seu blog,a poesia está linda.
Fico feliz quando vejo pessoas querendo mudar os paradigmas existentes.Só acredito que o foco tem que ser no Agora.Não tem frente e nem trás, mas respeito sua percepção.
Parabéns e estarei sempre por aqui.
Valeu por ter me conectado.
Marly

Jussara Gehrke disse...

muito bom o texto e sua reflexão Julio!

parabéns, bacana seu blog, valeu o convite.

bjs
Ju

Anônimo disse...

Júlio obrigada pelo convite. Suas idéias e opiniões são bem centradas. Realmente temos a tendên cia de sempre achar que "a galinha do vizinho está mais gorda!"
Acredito que somos aquilo que pensamos...
Beijos e quando quiser apareça e dê sua opinião no "Palavreados ao Vento"http://palavreadosaovento.blogspot.com/

www.sateliteabduzido.blogspot.com disse...

Super bacana teu blog, rico em informação e gostoso de ler... Amei!